Notas de Imprensa

De Rómulo a Gedeão em retrospectiva na BN

Data: 28-10-2006; Páginas: 56
Fonte: SOL
Autor: César Avó
C/ Foto | PB

De Rómulo a Gedeão em retrospectiva na BN

ANTÓNIO é o meu nome - assim se chama a exposição comemorativa do centenário do nascimento de Rómulo de Carvalho, que está na Biblioteca Nacional (BN), até 6 de Janeiro. É também o último verso do 'Poema de me chamar António', construção sobre o seu pseudónimo António Gedeão.

A exposição na BN é um retrato panorâmico da sua vida e obra. Ao longo da mostra, o visitante toma contacto com os manuscritos originais (a poesia e a ficção, os ensaios e as memórias, as bibliografias e a correspondência), além de documentos e iconografia vária de Rómulo Vasco da Gama Carvalho.

Nascido em Lisboa a 24 de Novembro de 1906, desde muito cedo deu sinais da sua criatividade. Aos seis anos escreveu o primeiro poema, aos 11 publicou as primeiras estrofes do XI Canto d'Os Lusíadas, no periódico Notícias de Évora. Os estudos superiores são em Ciências Físico-Químicas, após ter passado pela Engenharia Militar.

De 1933 a 1974 é professor do ensino secundário nos liceus Pedro Nunes ondecomeçou e terminou a carreira - Camões e D. João III (em Coimbra). «Foi um mestre de professores. Um mestre pelo exemplo e também pelo pensamento», escreve no catálogo da exposição o professor universitário e divulgador científico Nuno Crato. Seu aluno, relembra-o: «Destacava-se pelo seu profissionalismo reservado e pela cultura superior, que transpareciam nas mais simples conversas». A preparação de uma aula de Física incluía, por exemplo, a explicação da origem das palavras.

Os séculos XVIII e XIX foram inspiração para vários livros de História da Ciência e da Educação. Já para não mencionar as suas obras de divulgação científica, pioneiras por ca.

Este percurso multifacetado extravasa, em muito, o mundo escolar. A poesia de Gedeão foi apreciada pelos seus pares, como Jorge de Sena, e popularizada na música por Manuel Freire ('Pedra Filosofal'). Também foi autor de literatura infanto-juvenil.

César Avó