Obra de Rómulo de Carvalho

Poema "Lição sobre a água"

Este líquido é água.
Quando pura
é inodora, insípida e incolor.
Reduzida a vapor,
sob tensão e alta temperatura,
move os êmbolos das máquinas que, por isso,
se denominam máquinas de vapor.

É um bom dissolvente.
Embora com excepções mas de um modo geral,
dissolve tudo bem, ácidos, bases e sais.
Congela a zero graus centesimais
e ferve a 100, quando à pressão normal.

Foi neste líquido que numa noite cálida de Verão,
sob um luar gomoso e branco de camélia,
apareceu a boiar o cadáver de Ofélia
com um nenúfar na mão.

Linhas de Força, 1967

Ilustração

Ilustração do poema por Margarida Gama Carvalho
© Margarida Gama Carvalho

Manuscrito pelo Poeta

manuscrito do poema parte1 manuscrito do poema parte 2

Nota: Clique nas imagens para as ver ampliadas.